Observando o infinito

Ela diz que ele é o amor da sua vida. Mas ele, que já prometeu a eternidade a outras apaixonadas, não terá toda a vida dela para amá-la.
Seus cabelos, já acinzentados, começam a embranquecer enquanto os dela não param de ganhar novas cores. O corpo dela parece florescer para enfeitar o outono dele. E à medida que a cabeça dela começa a entender a vida a dele dá sinais de querer esquecer.

E eu, do lado de cá, não sei se sinto inveja ou pesar.

Pena por eles terem descoberto esse amor tão eterno quando ele já não tinha tanto tempo para cumprir promessas e ela tanto pela frente para lembrar que, um dia, amou por tão pouco um amor para tanto. E a inveja dos que, desacostumados a andar de mãos dadas, admiram aqueles que ignoram as garantias do tempo e escolhem amar infinitamente por pouco o que será para sempre.

Texto que publiquei no portal  A Redação

Sobre Delan Salazar

Nenhuma vida é tão insignificante a ponto de não merecer o mínimo de atenção e um espaço no interesse de outros. Portanto, escrevo para falar da minha vida, da vida dos outros e das coisas que eu gosto, acredito e...detesto também.
Esta entrada foi publicada em CRÔNICA, Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s